segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Cancro

"Lamentamos informá-lo, mas tem cancro", já ouvi dizerem isto a pessoas da minha família 3 vezes: o meu avô, a minha tia, a minha mãe. Pensamos sempre que não nos vai acontecer, mas a verdade é que esse bicho mau vem ter connosco quando menos esperamos e ataca, de modo a que a pessoa em questão se vá abaixo imensas vezes, perca a força, perca a esperança; depois, com os tratamentos, perde o cabelo, volta a perder as forças e a sentir-se cansada. Quando finalmente consegue encontrar algo por que lutar na vida, começa a reagir e sente-se super bem. É aí, nesse momento que tudo piora, de um dia para o outro, perde as forças outra vez, perde a esperança de viver e, das duas uma, ou volta a encontrar algo onde se agarra e vence o cancro, ou é o cancro que vence.
Nestas três pessoas, apenas a minha mãe venceu esta batalha. Estive ao lado dela nos seus piores momentos, quando soube a noticia, quando foi operada; na altura da radio e quimioterapia, fui eu que lhe rapei o cabelo enquanto tentava não chorar. Fui eu que a ajudei a levantar sempre que se ia abaixo e quando começou a melhorar... Agora, já tem 3 anos desde que isto aconteceu. Venceu esta luta e é a minha heroína.

De qualquer maneira, estou a escrever isto porque hoje é um dia triste...nem todas as pessoas têm a sorte de vencer..foi o caso de uma grande amiga minha. Ela viu-me crescer, quando ela ia à horta, lá na santa terrinha, buscar morangos ou dióspiros, trazia sempre a mais a contar comigo; quando eu ia dar uma volta pelas hortas ao pé da casa dela, via-a sempre à janela. Ela era a mulher com força e garra. Tinha sempre um conselho e, apesar de todas as dificuldades, tinha sempre um sorriso no rosto, uma alegria fora do normal, uma palavra amiga. Era alguém que todos deviam conhecer! Alguém que eu esperava que vencesse.
Neste momento nem sei o que hei-de pensar, acho que ainda estou em estado de choque e ainda não consegui  raciocinar sobre isto. Acabaram de me contar e apenas perguntei se estavam a gozar comigo, é claro que a resposta foi negativa e, do nada, as lágrimas começaram a cair como à muito não caiam. Não lhe podia acontecer isto, não a ela! Há por aí tantas pessoas sem escrúpulos, tantos violadores, tantas pessoas que mereciam, porquê ela? Não sei, não sei mesmo. 
R.I.P Lurdes

1 comentário: