quinta-feira, 11 de julho de 2013

Algures no fim do mundo.

Se há coisa que eu gosto nesta pequena terra é o ar puro, quase sempre quente no verão, gelado e fresco no inverno; aventurar-me pelos pinhais (em muitos nem devia andar :x) e sentir o cheiro dos eucaliptos; as pessoas sempre prontas a ajudar, quer seja com uma dúzia de ovos, umas couves ou um simples conselho! Gosto de passear, posso pensar em condições sobre vários assuntos; por vezes prefiro estar cá, no "fim do mundo", a estar em casa, na cidade...
Desde pequena que sempre me habituaram a vir para aqui, ainda que agora seja diferente pois os meus avós já não moram aqui, já não me recebem de braços abertos, prontos para que eu saltasse e eles me fizessem rodar, depois eram beijos e abraços; quando os meus pais não estavam perto, a minha avó dava-me rebuçados e dizia sempre "vá, come isso e não digas nada a tua mãe!"; lá fazia eu o que ela mandava; depois aparecia o meu avô e, apesar de eu não me lembrar muito dele, lembro-me de todos os anos, pelo 1 de novembro, o dia de todos os santos, lá chamado "ti bolinhos" ele acordava sempre cedo, arranjava-se e abria a porta, sentava-se e ficava a espera das crianças...Tenho saudades deles, fazem mesmo muita falta...
 Mas bem, como sempre vim para aqui, aqueles que me conhecem, após me dizerem que estou tão grande, que não me viam há tanto tempo, de me informarem que andaram comigo ao colo (coisa que quase nunca me lembro); perguntam como vai a vida, a escola.. aqueles que "não" me conhecem ou fazem que não me conhecem ou simplesmente se esquecem, perguntam-me quem eu sou e lá tenho eu que dizer que sou a Sara, filha da Zanja e neta do Carqueja.
Nesta terra, Chão de Lopes, todos têm algo que os torna diferentes e é por isso que eu gosto tanto: o Ti João, aquele senhor super simpático que me dá pastilhas, aquele que assim que vou ao café me pergunta " então, estás boa? Como está a vida? Queres uma pastilha? Quando é que me trazes cá o rapaz?" (sim, ele quer que eu arranje um namorado e que o leve lá.. diz que não quer morrer sem o conhecer -.-); há a Sãozita e a Liliana, mãe e filha, sempre simpáticas; o Tó Manel, fiel amigo, o "maninho" da minha mãe, sempre pronto a trabalhar, em qualquer coisa; o Renato, sempre com a sua paixão pelas motas; os meus primos, João e Zézito, sempre prontos para a festa; há a Lete, sempre com um sorriso e pronta a dar chocolates e morangos; há a Lurdes, aquela senhora que, apesar de todas as dificuldades, não baixa a cabeça; existem muitas outras pessoas e depois existem aquelas que nem vale a pena nomear..
Uns quilómetros ao lado, há o Freixoeiro, a terrinha do sr.Luís, meu pai! Uma terra praticamente desabitada, com cerca de 15 pessoas (talvez nem isso). Um lugar que, desde a morte do meu avô, perdeu um pouco o seu brilho! Apesar disso, mesmo que me custe bastante, vou lá essencialmente por causa da minha avó! Ainda que tenha poucas pessoas, existem algumas que me conseguem por a rir e que me fazem lá ir também: o meu primo Alain, que antes não o suportava, mas agora já dá para ter uma conversa com ele! O "chato" do Nuno, sempre pronto a fazer apostas comigo :p... uns velhotes que não sei o nome, mas que quando me vêem me dizem sempre "Estás tão crescida! Estás mesmo parecida com o teu avô! Ele ia gostar de ver na mulher em que te tornaste!" E pronto, gosto de ouvir mas fico sempre sem saber o que dizer, porque éramos muito próximos!..
São poucos os momentos que tenho nestas aldeias, mas, no geral, são sempre bons; são uma fuga para a realidade da cidade! Ainda que lhes chame o "fim do mundo", a verdade é que existe algo que na cidade não existe: tradições, solidariedade, entreajuda, muitas coisas boas (claro que menos boas também!). Eu gosto de cá estar, custa a habituar, mas tenho sempre pessoas que me lembram que eu também faço parte disto, que me oferecem coisas, me ajudam, me deixam andar pelas hortas, apanhar fruta (mesmo que isso implique cair e bater com as costas numa pedra -.-'), legumes, tudo o que eu quiser, deixam-me andar pelos terrenos, pelos pinhais...Deixam-me ter a liberdade que na cidade não existe!

Sem comentários:

Enviar um comentário